Posts Tagged ‘medicina’

h1

Acupuntura: uma terapia integrativa e adjuvante nos cuidados oncológicos

8 de junho de 2018

Tapping in acupuncture needle

A acupuntura faz parte do grupo das terapias Integrativas e tem sido citada repetidamente na prática médica como adjuvante nos cuidados oncológicos, devido sua comprovada eficácia em aliviar diversos efeitos colaterais do tratamento antineoplásico.
Um repentino aumento de interesse nessa área iniciou em 1997, em consenso no NIH Conference (National Institutes of Health), após ter sido estabelecida a sua importância como auxiliar no tratamento oncológico.
Vários centros de tratamento de câncer nos Estados Unidos incorporaram a acupuntura como técnica complementar, dentre eles, Dana-Farber Cancer Institute (Boston), Memorial Sloan-Kettering Cancer Center (Nova York) e M.D. Anderson Cancer Center (Houston). No Brasil, o Hospital Albert Eisten já utiliza a técnica em seus protocolos e alguns hospitais públicos também já incluiram o uso em seus serviços. Relatos demonstram que há uma tendência dos pacientes com câncer a procurarem terapias complementares visando a uma melhor qualidade de vida e de tratamento (48% a 83% dos pacientes). No caso da acupuntura, a taxa chega a ser de até 31%.
O seu mecanismo de ação envolve uma resposta do sistema neuroendócrino, atra-vés da estimulação do sistema nervoso periférico e central. No momento em que a agulha penetra na pele, ocorre a liberação de neurotransmissores opioides (como as endorfinas), e de monoaminas (como a serotonina). Estudos com neuroimagem como Ressonância Nuclear magnética funcional (FRNM), PET-CT e Eletroencefalograma (EEG) demonstraram o estímulo de áreas cerebrais específicas com o uso da acupuntura, dentre elas, o sistema límbico, amígdala, hipocampo, hipotálamo, dentre outras; o que explica o seu efeito tão abrangente, inclusive, induzindo a uma sensação de bem-estar e a uma mudança na percepção e tolerância à dor.
No campo da Oncologia, o interesse é crescente, visto que, além do sofrimento gerado pela doença, os efeitos colaterais causados pelo tratamento são de difícil manejo com os medicamentos e técnicas habitualmente empregados.
A acupuntura é altamente recomendável como uma terapia complementar quando a dor é de difícil controle. Numerosos estudos têm comprovado também seu papel no alívio de náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia. Ensaio clínico randomizado demonstraram, em 2000, uma redução significativa desses episódios, comparado com uso isolado de terapia medicamentosa.
Surgiram também evidências da eficácia da acupuntura nos sintomas de neuropatia periférica induzida por quimioterapia, na dor e fadiga relacionadas ao câncer, na xerostomia induzida pela radioterapia e nas dores articulares e musculares induzidas por inibidores da aromatase.
Recentemente, em dezembro de 2017, no congresso de San Antonio, no Texas (San Antonio Breast Cancer Symposium- SABS), foram apresentados resultados muito positivos, de um ensaio clínico randomizado, no alívio das dores articulares (artralgias) em pacientes em tratamento para o câncer de mama, hormônio positivo, com inibidores de aromatase. Participaram do estudo 226 pacientes em estágio inicial, pós-menopáusicas. O estudo foi conduzido por 11 centros de tratamento oncológico nos Estados Unidos. A conclusão desse estudo foi que a acupuntura reduz significativamente a dor articular causada pelos inibidores da aromatase, dentre eles: anastrozole, letrozole e examestane.
Constata-se, ainda, o aumento no número de estudos para o tratamento da leucopenia/neutropenia induzida por quimioterapia. Em 2014, um estudo piloto, conduzido por Pais I. e colaboradores, demonstrou que a acupuntura pode estimular a imuni-dade antineoplásica, promover efeito mieloprotetor, melhorar o estado emocional e a qualidade de vida e, ainda, minimizar os efeitos da quimioterapia. Com a acupuntura, haveria a ativação de diferentes mecanismos incluindo macrófagos, neutrófilos, estimulação de células natural killer (NK) e linfócitos e produção de imunoglobulinas.
O uso da acupuntura também está descrito no tratamento de sintomas muito comuns na rotina oncológica como: sintomas vasomotores (foga-chos), insônia, ansiedade e depressão.
A acupuntura é um tratamento seguro, quando realizado por profissionais qualificados. Não há contraindicação para sua aplicação durante o curso da quimioterapia, desde que respeitadas as normas de biossegurança, com o uso de agulhas descartáveis e antissepsia adequada. Os efeitos adversos são raros e podem incluir: equimoses ou hematomas leves (as agulhas são ultrafinas), dor no local ou dor irradiada no trajeto de um nervo com sensação de dormência, hiperemia e prurido temporários na região agulhada. Cada aplicação dura, em média, vinte minutos. O ideal é que o tratamento seja mantido por, no mínimo, 4 a 6 semanas. Alguns sintomas requerem mais tempo para a adequada manutenção. Em muitos casos sua utilização pode diminuir a necessidade de medicamentos ou o efeito colateral dos mesmos.
No cenário atual, onde se busca cada vez mais uma Medicina Integrativa, visando a minimizar a dor e o sofrimento durante o tratamento oncológico, a Acupuntura vem para somar, visto que auxilia na redução dos para efeitos e melhora a qualidade de vida dos pacientes.

Por Dra. Luciane Poletto Antunes – CRM – 26.942
Médica Mastologista e Especialista em Acupuntura
Anúncios
h1

A ARTE DO BEM-ESTAR

8 de junho de 2018

fotolia_168011725.jpgMuito além das simples definições propostas pelos dicionários, o conceito de bem-estar é amplo e complexo. Isto porque, recheado de subjetividade, constrói-se a partir da ótica de cada observador, em cada momento e para cada contexto. Passamos muito tempo tentando definí-lo, assim como, qualidade de vida; hoje consideramos bem-estar um aspecto humano, de sentimento, sentir-se bem, enquanto qualidade de vida representa a estrutura disponível, a qual pode ter importante papel na promoção deste aspecto do sentimento humano. Devemos, portanto, evitar o equívoco de apresentarmos teorias pré-formatadas sobre sua promoção em populações e situações diversas. O bem-estar não é uma ciência; é uma arte!

Nos últimos 10 anos nos dedicamos a estudá-lo, bem como as suas mais variadas expressões, especialmente no ambiente de trabalho. Durante este período, adquirimos um robusto conhecimento a respeito do tema e conseguimos entendê-lo profundamente, a ponto de criarmos uma série de conceitos próprios sobre as habilidades intimamente envolvidas com a origem de um bem-estar real, aquele que é construído de dentro para fora nas pessoas.

O ponto de partida, o elemento propulsor para a construção desse  sentimento em cada indivíduo é a conexão com um propósito, uma causa, um objetivo. De nada adianta o treinamento e o desenvolvimento de habilidades se não houver uma razão muito clara para utilizá-las. Lembremos do Golden Circle, do Simon Sinek, iniciando pelo “porquê”; sim, o propósito.

Na busca pelo bem-estar, criamos o nosso conceito fundamental: o Cubo da Plena Performance! Nele, as pessoas são convidadas a construir o seu próprio cubo cuja base representa a vida, as paredes, respectivamente os aspectos físicos, emocionais, mentais e espirituais, e o teto, fechando o cubo e protegendo a vida, o trabalho. A partir deste modelo, fica bastante clara a ideia de que, para equilibrarmos harmonicamente o nosso trabalho sobre a nossa vida, precisamos ter estruturadas e desenvolvidas as nossas habilidades Físicas, Emocionais, Mentais e Espirituais, o que chamamos de Evolução FEME. Nesta construção do cubo, uma “parede” mal estruturada irá sobrecarregar as outras!

Hoje podemos dizer que o verdadeiro diferencial nos nossos processos de bem-estar foi o entendimento de que, quando lidamos com grupos específicos de pessoas em determinadas situações e ambientes, excelentes teorias e fórmulas simplesmente evaporam, com pouco ou nenhum efeito naquele lugar ou naquelas pessoas. As informações necessárias para a construção de um processo sólido e sustentável a este respeito estão lá, no próprio local, e tem origem naquelas pessoas envolvidas diretamente no contexto em estudo. É o que acontece, por exemplo, quando trabalhamos com o bem-estar de pacientes em tratamento oncológico. Recentemente, tivemos a oportunidade de desenvolver um projeto de cocriação com pacientes durante as sessões de quimioterapia. Foi uma experiência fantástica, que possibilitou conhecermos melhor esta população, que, como qualquer outra, tem características próprias que precisam ser estudadas para que possamos gerar como resultado um processo real e sustentável deste estado de espírito. Lembrando: dificilmente conseguiremos promover um verdadeiro bem-estar com receitas prontas; precisamos descobrir os fatores importantes para cada grupo de pessoas que pretendemos atender.

Muitas vezes, este não representa absolutamente a estrutura de qualidade de vida disponível; enquanto uns usufruem de grande estrutura e não conseguem alcançar um estado de bem-estar, outros, com muito pouco, sentem-se realmente bem.

O desenvolvimento de ferramentas inovadoras e poderosas de cocriação utilizadas no Biodesign nos permite hoje uma assertividade superior, quando somos desafiados a construir processos de bem-estar nas mais variadas populações e nos ambientes de trabalho. Processos efetivos e sustentáveis, com os valores internos dos diferentes grupos, construídos pelas pessoas e para as pessoas, de forma simples, humana e inovadora.

Por Dr. Geraldo Gomes da Silveira – CRM 21.886
Ginecologista do Centro de Ginecologia Oncológica da CliniOnco | Coordenador do Centro de Endometriose da CliniOnco
Idealizador do Projeto ErgoMulher
h1

VACINAS E PREVENÇÃO DO CÂNCER

8 de junho de 2018

Flu.A história das vacinas se iniciou, ainda no século XVIII, com a descoberta da vacina da varíola e evoluiu muito desde então, se tornando uma das ferramentas mais importantes da medicina preventiva.

As vacinas são medicamentos que estimulam a habilidade natural do sistema imune em proteger o corpo contra invasores, principalmente agentes infecciosos que podem causar diversas doenças. Quando estes agentes invadem o corpo o sistema imune reconhece-os como invasores e os destrói, além disto o corpo cria uma memória imunológica para que da próxima vez que o mesmo agente entrar no organismo esta memória seja ativada para eliminar o invasor.

Na prevenção do câncer os dois principais agentes a serem combatidos com vacinas são o HPV(Vírus do Papiloma Humano) e o vírus da Hepatite B.

A vacinação para Hepatite B foi desenvolvida na década de 1960 e há vários anos foi introduzida no calendário de vacinas no Brasil.

Segundo dados do Inca, estima-se que, em países em desenvolvimento, o vírus da Hepatite B (HBV) seja responsável por 58,8% dos casos de câncer do fígado. O HBV é capaz de sobreviver até uma semana fora do corpo humano e apenas uma partícula viral já é capaz de infectar o ser humano.

Hoje a vacina da Hepatite B é oferecida ao nascimento para todos os bebês nascidos no país já na maternidade, devendo ser realizado reforço aos dois e seis meses de idade e sua imunidade pode ser testada nos adultos com exames laboratoriais, pois em algumas pessoas, esta imunidade se perde com o tempo e pode haver a necessidade de doses de reforço na vida adulta.

A vacina para Hepatite B é um dos grandes sucessos da história da vacinação e a primeira vacina usada a nível mundial para a prevenção do câncer.

O HPV é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns em nosso meio e o desenvolvimento da vacina contra o HPV é uma ferramenta importantíssima na prevenção dos tumores relacionados a este vírus. O HPV pode causar câncer em várias regiões do corpo tanto do homem quanto da mulher. Quase 100% dos casos de câncer de colo do útero são causados por esse vírus. Além disso, ele causa verrugas genitais e responde por cerca de 91% dos casos de câncer anal, 75% dos casos de câncer de vagina, 72% dos casos de câncer de orofaringe, 69% dos casos de câncer de vulva e 63% dos casos de câncer de pênis. De acordo com o Center for Disease Control and Prevention (CDC) dos Estados Unidos, a maioria dessas neoplasias poderiam ser evitada por meio da vacinação.

A melhor idade para uso da vacina contra o HPV é ainda durante a infância, antes de um possível contato do indivíduo com o vírus. Os calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria e do Ministério da Saúde recomendam a imunização a partir dos nove anos de idade. Uma segunda dose da vacina deve ser recebida seis meses após a dose inicial.

Também no paciente com diagnóstico de câncer a vacinação antes do início do tratamento quimioterápico, radioterápico ou de outras medicações imunossupressoras é essencial para a prevenção de doenças que podem ser complicações potenciais durante o tratamento. As vacinas devem ser dadas idealmente duas semanas antes do início do tratamento oncológico, porém vacinas com vírus atenuados devem ser dadas 4 semanas do início do tratamento.

Pacientes com câncer em quimioterapia, radioterapia e uso de medicações imunossupressoras devem evitar o uso de vacinas, principalmente aquelas com vírus atenuados devido ao risco de desenvolver infecções relacionadas as próprias vacinas inoculadas.

Naqueles pacientes que não fizeram a vacinação antes do tratamento quimioterápico, as vacinas podem ser aplicadas após três a seis meses do tratamento, dependendo de qual tipo de quimioterapia foi utilizada.

Além disto, no tratamento do câncer estão sendo desenvolvidas “vacinas” que são medicações que estimulam o sistema imunológico para combater o câncer já existente. Os melhores resultados deste tratamento estão sendo obtidos no câncer de pele tipo melanoma.

Sendo assim, a prevenção de doenças com vacinas e até mesmo seu tratamento com medicações que usam os mesmo princípios das vacinas são ferramentas essenciais na medicina e muito ainda podemos esperar de evolução neste campo nas próximas décadas.

Por Dr. Rafael Castilho Pinto – CRM 19.876
Médico Proctologista | Médico do Centro de Prevenção de Câncer da CliniOnco
prevenção@clinionco.com.br
h1

SAÚDE: OS AVANÇOS CIENTÍFICOS E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO.

24 de outubro de 2017

clinionco&avancos&cientificos&medicinaManter-se saudável e longevo é uma busca que acompanha o ser humano desde o início da civilização. A mitologia está repleta de história sobre a fonte da juventude. Durante séculos os homens organizavam grandes expedições em busca desta fonte. Alexandre, o Grande, buscou por anos o “Rio da Imortalidade”. Na idade média, acreditava-se que a fonte estaria nas américas e Ponce de León, patrocinado pela corte, viaja e encontra uma costa belíssima e a batiza de   Ilha Flórida, hoje Flórida – EUA, onde encontraria a suposta fonte. Excetuando-se o fato de que até hoje ninguém comprovou a existência desta fonte, o ser humano continua incessantemente na busca da longevidade. O caminho desta evolução é o investimento em grandes estudos, ou seja, grandes expedições, porém agora no mundo da ciência e tecnologia.

Nas últimas décadas o investimento na melhoria das condições sanitárias, a descoberta de vacinas, de antibióticos e drogas capazes de curar e controlar doenças crônicas como diabetes, hipertensão e até mesmo o câncer, resultou no aumento da expectativa de vida da população.  Só no Brasil, esta expectativa aumentou em 11 anos. O grande desafio agora, está em proporcionar qualidade de vida aos anos ganhos devido a estas descobertas.

A evolução sempre teve ao seu lado a tecnologia, mesmo em sua forma mais rudimentar possível, porém, foi após a Revolução Industrial e a II Grande Guerra, que os processos tecnológicos tomaram um caminho sem volta nas inovações e desenvolvimento científico.

A tecnologia da informação se firmou e se constituiu em aliada ao desenvolvimento nas áreas da física, química, biologia e genética. Ela contribuiu de forma definitiva para a descoberta de novas drogas e os avanços no desenvolvimento de equipamentos de alta precisão para diagnóstico e tratamento.

No entanto, apesar de toda esta evolução tecnológica, o ser humano, precisa apropriar-se de algo que lhe é nato. Sua vida, seu autoconhecimento e sua essência. A busca por resposta continua dentro de si e o equilíbrio das dimensões biopsicossocial e espiritual lhe proporcionará a saúde verdadeira.

Preparamos esta matéria, para apresentar aos nossos leitores, de maneira sucinta e resumida alguns dos avanços científicos e como a tecnologia da informação passou a fazer parte de nossas vidas quando falamos em saúde.

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

A sustentabilidade e perenidade de uma organização depende de uma série de fatores. Dentre eles, podemos citar dois dos mais relevantes.  A qualidade do atendimento, principalmente em tratando-se de serviços e mais especificamente os de saúde e o padrão de processos e rotinas de excelência. Estes conferirão às instituições maior credibilidade e fidelização dos clientes. No entanto, é indispensável que todos estes processos estejam sustentados por um Sistema de Tecnologia da Informação (TI) capaz de contribuir para a oferta de um serviço seguro e eficaz.

Atualmente, o Sistema de In-formação passa a figurar como protagonista nos processos de melhorias contínuas na área da saúde. O mesmo dá sustentação e estruturação aos Programas de Qualidade em Saúde, Acreditação Hospitalar, Programas de Segurança do Paciente, entre outros.  Além disso, a utilização de softwares específicos para a área da saúde, ampliou a possibilidade de mensurar os indicadores de desfecho clínico dos pacientes e é um fator determinante para apoiar a equipe assistencial na melhor tomada de decisão para o cuidado centrado no paciente.

Primar pela segurança e eficácia do sistema de TI é fator indispensável para as instituições. A fidelidade dos dados, a agilidade e a precisão das respostas que este sistema entrega, podem contribuir para o desfecho de um tratamento, assim como ser um diferencial na cura dos pacientes.

No campo da prática hospitalar, podemos salientar três considerações pertinentes ao sistema informatizado:

  1. Processo da medicação que começa com a prescrição informatizada, passando pela dispensação eletrônica, rastreabilidade e check-out eletrônico na dispensação final do medicamento ao paciente e finaliza com o gerenciamento de estoque e programação de compra.
  2. A definição e inclusão de protocolos clínicos e assistenciais no sistema de informática da instituição. Deste modo, os procedimentos e medicamentos padronizados, garantem a correta aplicação dos protocolos definidos.
  3. O sistema de saúde totalmente integrado é o grande desafio para os próximos anos no Brasil. A tecnologia da informação utilizada de forma global e integrada produzirá redução de custos uma vez que se evitará a solicitação repetida de exames e contribuirá para a segurança nas informações do paciente otimizando tempo e mantendo o histórico de saúde destes.

No armazenamento e integração dos dados, na disponibilização de aparelhos para diagnósticos, tratamentos e cirurgias, assim como na recuperação dos pacientes e controle de doenças crônicas, a tecnologia vem ocupando definitivamente novo espaço e torna-se o balizador nas inovações em saúde.

Segue uma breve apresentação das principais referências tecnológicas na saúde.

Internet das coisas ou Internet of things (IoT)

A internet das coisas estabelece a conectividade com diversos itens usados no dia-a-dia, dando a eles novas funções, como acontece por meio da inovação da área da saúde.

O que antes era apenas um bracelete, por exemplo, hoje é capaz de medir os passos, avaliar seus batimentos cardíacos e até mesmo seu sono. Da mesma forma, o aparelho de aferir a pressão envia seus dados automaticamente para o smartphone. Além disso, esses gadgets — como são chamados — criam relatórios com o histórico dos seus dados que podem ser enviados para a avaliação médica.

Computação em Nuvem (Cloud Computing)

Uma solução que ganhou muito espaço nas rotinas pessoais e também no setor corporativo. É uma forma nova de lidar com tecnologia e que permite o compartilhamento de infraestrutura e sistemas. Basta acesso à internet e a necessidade de armazenamento ou processamento de informações.

Na saúde é considerado o melhor modelo para armazenar e gerenciar imagens médicas ponderando custos, segurança e simplicidade.

Big Data (Grande Banco de Dados)

Uma solução que ganhou muito espaço nas rotinas pessoais e esta relacionada ao armazenamento de grandes bancos de dados, o Big Data vem ganhando notoriedade na área da saúde. Ao permitir o cruzamento e a análise de uma variedade infinita de dados, possibilita correlações muito mais acuradas e, desta forma, os caminhos de decisão podem tornar-se muito mais claros.

Inteligência Artificial (AI)

A Inteligência Artificial é o nome dado a um conjunto de algoritmos capazes de executar tarefas até então limitadas ao cérebro humano.

No contexto da radiologia, esta tecnologia permite agilizar o tempo de leitura e a precisão dos resultados dos exames.

Digitalização de Imagens Médicas

A digitalização dos exames é uma ferramenta de extrema relevância para os profissionais, pois facilita a interpretação dos resultados com a mesma qualidade de imagem gerada de forma tradicional e com maior rapidez.

O termo DICOM significa Digital Imaging and Communications in Medicine, ou seja, comunicação de imagens digitais para finalidades médicas. Tem como propósito o armazenamento e compartilhamento de informações médicas em um formato único que são geradas a partir de equipamentos médicos. Permite o armazenamento de imagens radiológicas na nuvem possibilitando o acesso de informações clínicas de qualquer computador e uniformiza as análises e interpretações clínicas com os demais profissionais de saúde em formas de protocolos científicos, possibilitando uma grande geração de dados a respeito de uma determinada enfermidade.

Cirurgia 3D

Os procedimentos são realizados com uma câmera 3D, que permite, por exemplo, melhor acesso e visualização da área para a retirada de um tumor. A nova tecnologia oferece, além das referências espaciais de lateralidade já apresentadas nos procedimentos anteriores, mais realismo aos procedimentos feitos por videocirurgia com o grande diferencial da percepção de profundidade, característico do terceiro plano (3D). Com o novo aparelho, os movimentos se tornam mais precisos e seguros, o que reduz o tempo de cirurgia, submete o paciente a um tempo menor de indução anestésica e torna sua recuperação mais rápida. Diferentes especialidades podem se beneficiar da novidade.

Biomodelos

Os biomodelos são protótipos em 3D, cuja tecnologia permite a impressão em três dimensões de qualquer órgão a partir das imagens de exames do paciente. Os modelos podem ser desenvolvidos em materiais de diferentes níveis de flexibilidade, cor e textura. Isso permite procedimentos cirúrgicos mais precisos e seguros, pois se tratando de uma cópia fiel do órgão, o biomodelo permite ao cirurgião “treinar” antes do procedimento, prever possíveis complicações intra-operatórias e avaliar quais os melhores materiais e clipes cirúrgicos para cada paciente.

O DIAGNÓSTICO COM AUXíLIO DA TECNOLOGIA

Os avanços tecnológicos nos exames de prevenção e diagnóstico e seus ótimos resultados em diminuir a incidência e mortalidade do câncer, assim como a melhora na acurácia do diagnóstico precoce, levando a escolhas mais efetivas de tratamento, aconteceram em várias áreas da medicina e foram muito significativos nestes últimos anos.

Colonoscopia

Um dos exemplos mais impactantes é o da colonoscopia na prevenção do câncer de intestino. Este exame vem tendo avanços tecnológicos significativos nos últimos anos, principalmente no que se refere à utilização de aparelhos com qualidade de imagem de alta resolução, o que permite o diagnóstico de pólipos cada vez menores. Além disto, a evolução das técnicas de retirada destes pólipos está cada vez mais segura, rápida e eficiente. Os avanços tecnológicos permitem a retirada de lesões cada vez maiores e até mesmo pólipos com pequenas áreas de transformação maligna podem ser removidos através da colonoscopia e seus procedimentos avançados de ressecções via endoscópica, como as Mucosectomias e a e a Ressecção Endoscópica Submucosa.

Rastreamento do Câncer de Pulmão

No rastreamento do câncer de pulmão, indicado para fumantes, exames de tomografia computadorizada, com baixas doses de radiação, levam a diagnósticos cada vez mais precoces, o que aumenta significativamente a chance de cura em um tumor conhecido por ter altos índices de mortalidade se não diagnosticado em fases iniciais. Além disto, a menor dose de radiação destes exames de rastreamento permite a possibilidade de repetir exames periodicamente com menor risco dos efeitos colaterais da exposição à radiação.

Testes Genéticos

Outro campo onde a evolução é permanente são nos testes genéticos para detecção de predisposições familiares ao câncer, junta-se a isto que o acesso a estes testes vem ficando cada vez mais fácil e com menor custo. Até mesmo alguns destes exames já estão sendo acessíveis através de planos de saúde, como nos casos de tumores de mama e de intestino.

Tomografia Ótica

Terceiro tumor mais frequente entre as brasileiras, o câncer do colo do útero é iniciado a partir de lesões precursoras que podem não apresentar sintomas. Para identificá-las com maior precisão e diminuir a necessidade de biópsia, pesquisadores iniciaram um projeto para desenvolver um sensor ótico capaz de dar suporte ao médico ginecologista no diagnóstico da doença. A tomografia ótica, chamada OCT (Optical Coherence Tomography), conta com um sensor equipado com câmera e sonda, que permite um exame equivalente à microscopia e dá ao médico uma avaliação em tempo real do tecido do colo do útero.

Exames laboratoriais

A agilidade é uma das características mais relacionadas à evolução tecnológica dentro da medicina, e exames laboratoriais também podem se beneficiar destes progressos. Exemplos como o teste para Zika Vírus, capaz de identificar o anticorpo logo nos primeiros dias que seguem o contato do paciente com o mosquito transmissor e o teste rápido que detecta os anticorpos contra o HIV em tempo inferior a 30 minutos.

“Com todas estas inovações é importante que a informação sobre exames preventivos e de diagnóstico precoce chegue de forma cada vez mais eficaz aos nossos pacientes, pois a prevenção, em muitos casos, está ao nosso alcance e o diagnóstico precoce do câncer é o fator mais importante de controle da doença.”

Dr. Rafael Castilho Pinto, médico do Centro de Prevenção do Câncer da CliniOnco

NOVIDADES

 

Monitoramento da Glicose sem picada

Nova tecnologia para o monitoramento da glicose em pessoas com diabetes.  O aparelho consiste em um sensor e um leitor. O sensor deve ser aplicado na parte traseira superior do braço e capta os níveis de glicose por meio de um microfilamento que, sob a pele e em contato com o líquido intersticial, mensura a cada minuto o nível de glicose presente. O leitor é escaneado sobre o sensor e mostra, para o paciente, o valor da glicose medida em menos de um segundo. Os dados armazenados no aparelho também permitem que os médicos tomem decisões mais assertivas em relação ao tratamento da doença.

 

Quimioterapia “expressa”

Praticamente uma novidade no Brasil, trata-se de uma técnica de quimioterapia que busca melhorar o tratamento de alguns tipos específicos de cânceres, com destaque para o de ovário, líder em morte entre os cânceres ginecológicos. A técnica consiste em utilizar a via intraperitoneal para que haja uma entrega “expressa” dos quimioterápicos diretamente no tumor, sem que precisem passar pela corrente sanguínea. Ainda que o tratamento possa ser combinado à quimioterapia clássica, espera-se que haja uma redução nos indesejados efeitos colaterais do tratamento, já que os quimioterápicos não circulam pelo corpo, além de uma redução no número de células saudáveis (não cancerosas) afetadas. A técnica também pode servir ao câncer de cólon e a situações específicas de câncer de estômago.

Dispositivo para Refluxo Gastroesofágico

 O refluxo gastroesofágico ganha uma nova alternativa de tratamento, o dispositivo EndoStim. A técnica consiste na implantação do dispositivo, de forma minimamente invasiva, na região do esfíncter inferior do esôfago para a sua contração através de estimulação elétrica, a fim de corrigir problemas em seu funcionamento. Isso impede que os alimentos e líquidos voltem em direção ao esôfago, o que provoca sintomas como queimação, regurgitação e azia

 

Dispositivo para Refluxo Gastroesofágico

 O refluxo gastroesofágico ganha uma nova alternativa de tratamento, o dispositivo EndoStim. A técnica consiste na implantação do dispositivo, de forma minimamente invasiva, na região do esfíncter inferior do esôfago para a sua contração através de estimulação elétrica, a fim de corrigir problemas em seu funcionamento. Isso impede que os alimentos e líquidos voltem em direção ao esôfago, o que provoca sintomas como queimação, regurgitação e azia

 

Alergias

 

Recentemente foi lançado um teste de alergia, o 3gAllergy, que promete um diagnóstico completo e rápido em apenas 65 minutos. O teste acontece por meio do equipamento específico, que ajuda especialistas a determinar o tratamento, a reduzir a incidência de sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

 

FONTES: Ambra Saúde, Setor Saúde, Gazeta do Povo

 

APLICATIVOS

A tecnologia está cada vez mais presente em nosso cotidiano e pode ser nossa aliada, quando utilizada de forma consciente. Exemplo disso é usá-la para cuidar do corpo e da mente. Nos dias de hoje, é possível baixar aplicativos que vão além dos conhecidos apps de exercícios e dieta com o objetivo de cuidar da saúde.

Os números mostram que a utilização de apps com esta finalidade vem acontecendo desde 2013. De acordo com um estudo realizado pela Top Health Industry Issues of 2016 da Network Global PwC, o número de pacientes que utilizam aplicativos relacionados à saúde em seus smartphones entre 2013 a 2015, cresceu de 16% para 32%. Outro dado interessante mostra que 60% dos usuários entrevistados realizaram consulta médica por videoconferência e 81% dos médicos participantes afirmaram que esse acesso às informações médicas por meio dos aplicativos é um diferencial e ajuda no tratamento.

Pensando em atender essa demanda, existem muitas empresas que apostam nesse segmento a fim de desburocratizar o acesso às informações referentes a saúde, mostrando que todo e qualquer assunto que está inserido nessa área pode ser facilmente informado por meio da tecnologia.

Listamos alguns exemplos de aplicativos relacionados a saúde e bem-estar:

 

Cogni:

app para pacientes monitorarem humor, pensamentos e comportamentos.

Com interface simples, os pacientes podem registrar emoções marcantes, anotando pensamentos e ações que tiveram em decorrência dessa emoção. Com o passar do tempo, o histórico começa a revelar padrões que podem ser trabalhados e identificados em sessões de terapia. Muito utilizado no auxílio de pessoas que realizam terapia na abordagem Cognitivo-Comportamental.

O Cogni é gratuito e está disponível para pacientes que sejam usuários Android e iOS.

Self-Help Anxiety Management (SAM): app para pacientes com problemas de ansiedade.

O SAM auxilia os pacientes na compreensão da causa das suas ansiedades, no monitoramento de seus pensamentos e comportamentos ansiosos ao longo do tempo e no gerenciamento da ansiedade por meio de exercícios de autoajuda e reflexão.

O aplicativo oferece 25 opções de autoajuda que abrangem: informação sobre ansiedade, relaxamento físico, relaxamento mental, orientações para pôr em prática a autoajuda e rede social fechada dos usuários do aplicativo. APP gratuito, disponível para pacientes usuários Android ou iOS.

 

BEBER ÁGUA

app que gera lembretes simples para você não esquecer de beber água

Com interface simples e fácil de usar, você poderá verificar se tem conseguido atingir suas metas diárias através de seu histórico de consumo. 

App gratuito, disponível para Android e IOS.

 

Dr Cuco:

app que auxilia o paciente a lembrar de tomar medicamentos na hora certa.

A plataforma também permite o acompanhamento do histórico do tratamento médico, recebendo mensagens de dicas e informações de saúde.

App gratuito, disponível para Android e IOS.

 

Desrotulando

app que auxilia na compreensão de rótulos de alimentos

Criado por nutricionistas, o aplicativo traduz as informações importantes do rótulo gerando  uma nota de 0 a 100 que indica os produtos mais saudáveis, de acordo com os seus objetivos alimentares. O principal objetivo é auxiliar em escolhas alimentares de uma forma confiável e sem radicalismo e modismo. Trata-se de uma boa ferramenta para descobrir melhores alternativas aos produtos que você consome.

App disponível para Android e IOS.

Calm:

app para pacientes que desejam iniciar atividades de meditação guiada

Aplicativo de atenção plena e meditação para iniciantes, com programas de níveis intermediários e avançados. O app oferece sessões de meditação guiada que duram entre 3 e 25 minutos.

O aplicativo é totalmente gratuito para download e uso. Disponível para pacientes que sejam usuários Android e iOS.

meditartransforma.com

É possível acalmar a mente, equilibrar as emoções e ativar a ciência da serenidade através da meditação.

Os vídeos, palestras e livros da escritora e terapeuta, Amanda Dreher, ajudam a eliminar os maiores inimigos internos que prejudicam a vida da maioria das pessoas: a ansiedade, o estresse, a depressão, a insônia, a falta de concentração, as dores crônicas, os problemas de relacionamento e vazio no peito por não conhecer a sua missão de vida.

Lembramos que o uso de aplicativos pode auxiliar na manutenção de seu bem-estar e de uma vida mais saudável. No entanto, o uso de tais ferramentas não deve substituir o acompanhamento com profissionais de saúde.

h1

CÂNCER GÁSTRICO SERÁ TEMA EM PORTO ALEGRE NA SEGUNDA-FEIRA

20 de abril de 2012

O tratamento atual e as perspectivas sobre o câncer gástrico serão debatidos pela classe médica, na segunda-feira (23), às 19h30, no auditório da Clinionco Tratamento Integrado Câncer (Rua Dona Laura, 204 – Moinhos de Vento). O encontro terá a participação do oncologista do Hospital AC Camargo, Celso Abdon, e da patologista do Icesp-SP, Renata Coudry. Mais informações pelo fone 4009-6000 ou através do site http://www.clinionco.com.br.

O que é o Highlights?
É um meeting da área médica que tem por finalidade a discussão e atualização de temas que envolvem o tratamento do câncer em nível internacional. Novas alternativas de tratamento, tecnologias aplicadas ao diagnóstico, pesquisas com novos medicamentos, entre outras questões são apresentadas por renomados profissionais que vêm a Porto Alegre mensalmente. A iniciativa é da Clinionco – Tratamento Integrado do Câncer.

Sobre os palestrantes
Dr.Celso Abdon Lopes de Mello é oncologista clínico com mestrado em oncologia pela Faculdade de Medicina da USP. Atua no Hospital AC Camargo (SP) – Centro de Tratamento, Ensino e Pesquisa em Câncer;
Dra.Renata de Almeida Coudry é patologista do Icesp e do Laboratório de Diagnóstica de São Paulo e pesquisadora na área de estudos em neoplasias humanas pela UNESP.

O quê: Highlights – Encontro multidisciplinar da classe médica sobre assuntos relacionados ao câncer
Quando: 23 de abril (segunda-feira), às 19h30
Onde: Auditório CliniOnco (Dona Laura, 204)
Convidados:
Oncologista Dr. Celso Abdon – Hospital AC Camargo – SP
Patologista Dra. Renata Coudry – Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) e do Laboratório Diagnóstica – SP